Grupo Dramático 1º de Dezembro

Available actions

Reader available actions

 

Grupo Dramático 1º de Dezembro

Description details

Record not reviewed.

Description level

Fonds   Fonds

Reference code

PT/AMMRA/GDPD

Title type

Atribuído

Production dates

1898  to  1950 

Dimension and support

4 cxs - 0.64 metros lineares - papel

Holding entity

Arquivo Municipal de Moura

Producer

Grupo Dramático 1º de Dezembro

Biography or history

O Grupo Dramático Primeiro de Dezembro, foi fundado com o intuito de substituir uma outra associação de nome Grupo Artístico Dramático, que havia encerrado recentemente a sua actividade. A 27 de Novembro de 1898, reuniu no Teatro Caridade a primeira Assembleia, (de instalação) do Grupo Dramático 1º de Dezembro, associação que ficaria conhecida entre os seus sócios pelo nome de «Rosinha». Constituíam a mesa provisória os senhores Joaquim Fragoso de Lima (presidente), João Valente Júnior (secretário) e José da Conceição Caeiro (tesoureiro). Nesta assembleia foi eleita a primeira direção, que ficou constituída da seguinte forma:Presidente- Joaquim Fragoso de LimaVice-Presidente- José Martinho PereiraTesoureiro: José da Conceição CaeiroSecretário - João Valente JúniorVogais - José Joaquim Arvelos e José Joaquim Lésico.A 2 de Fevereiro de 1899, foi inaugurada a sede da associação, situada na travessa da Misericórdia, nas instalações onde funcionou o Hospital da Santa Casa da Misericórdia. O GDPD, tinha como principais fins:- Disponibilizar passatempos aos sócios, - Constituir um corpo cénico, para representar em palco.- Criar uma biblioteca, uma aula de desenho e uma orquestra. De entre os passatempos disponibilizados aos sócios, destacavam-se os jogos de cartas e de bilhar e a leitura de jornais. Na sede eram permitidos jogos a dinheiro até cinco réis por jogador. Também os bailes ocupavam lugar de relevo nas diversões disponibilizadas aos sócios. A longa existência do GDPD, ficou marcada não apenas pelos bailes, mas também pela actividade desenvolvida pelo corpo cénico, que, constituído na sua maioria por sócios, apresentava com regularidade espectáculos teatrais. A 19 de Outubro de 1949, na sequência do processo de fusão da Associação de Socorros Mútuos Santana e Costa com a Casa do Povo de Moura, foi o GDPD notificado para entregar a sala que a título precário ocupava na agora sede da Casa do Povo. Foi-lhes indicado o prazo de 30 de Março de 1950 para darem resolução à notificação.Em 10 de Fevereiro de 1950, numa tentativa derradeira de salvar a associação, a Assembleia aprovava um aumento de cota de forma a fazer face às despesas de arrendamento de um edifício para lhes servir de sede. Mesmo esta medida não seria suficiente para salvar uma associação que já agonizava e o GDPD acabaria mesmo por se extinguir e os seus bens passaram para a posse da Casa do Povo. A 22 de Julho de 1950, perante Luís de Almeida Broncas, último presidente da Assembleia Geral da «Rosinha», e Martinho da Silva Maia, presidente da Direcção da Casa do Povo, era lavrado o auto de cessão e entrega dos bens móveis a esta última entidade.

Geographic name

Custodial history

Após a extinção da Associação, a documentação, terá ficado na posse da Casa do Povo de Moura, onde se terá mantido até aos finais dos anos oitenta do século passado, altura em que esta instituição cessou a sua actividade. Daqui terá transitado para as instalações da Biblioteca Municipal de Moura, após doação à Câmara Municipal de Moura. Em 2000, com a inauguração do Arquivo Histórico Municipal transitou para as instalações deste novo equipamento.

Scope and content

Inclui documentação resultante da actividade que a associação manteve ao longo de mais de meio século. Inclui vários registos de sócios (1898-1947), actas dos diferentes corpos sociais da associação:Assembleia Geral(1898-1950), Direção(1899-1946) e Conselho Fiscal(1899-1903).Estão também presentes alguns registos de correspondência recebida e expedida(1904-1914), assim como documentação relativa à gestão financeira da associação, nomeadamente livros de receita e despesa(1898-1939). Por último, referência a um maço com partituras (s.d.), que completa o espólio arquivístico que chegou até nós.

Arrangement

Sistema de organização orgânico-funcional e ordenação cronológica dentro das séries e subséries.

Access restrictions

Comunicável, excepto a documentação que contenha dados pessoais, aplicando-se nessa situação, o estipulado no n.º 2 e 3, do artigo 17º, do Decreto -lei 16/93, de 23 de Janeiro (Regime Geral dos Arquivos e do Património Arquivístico).

Conditions governing use

Reprodução condicionada a parecer do responsável técnico pelo Arquivo Municipal, o qual terá em consideração a legislação em vigor e o estado de conservação dos documentos a reproduzir.

Language of the material

Português

Other finding aid

- Quadro de classificação e inventário.- Pesquisa disponível no sitio Web do Arquivo Municipal de Moura e no Portal Português dos Arquivos.