O Tesouro do Álamo.

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Representação digital

O Tesouro do Álamo.

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

O Tesouro do Álamo.

Detalhes do registo

Informação não tratada arquivisticamente.

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/AMMRA/DD/000007

Tipo de título

Atribuído

Título

O Tesouro do Álamo.

Datas de produção

1930-05-04  a  1930-05-04 

Dimensão e suporte

1 f. (270mm x 210mm) - papel

Âmbito e conteúdo

O mês de Abril de 1930 estava a terminar. Na serra da Adiça, António Pina era um dos vinte trabalhadores que procediam a trabalhos de desmatação na herdade do Álamo, quando de repente ao arrancar mais uma moita, na frecha de uma rocha, depara com um conjunto de cinco objetos em ouro.O acontecimento é comunicado pelo Regedor da Freguesia do Sobral da Adiça ao Administrador do Concelho de Moura a 4 de maio, dando conta que António Pina, homem pobre daquela freguesia queria entregar as quatro jóias que tinha em seu poder e ver com o Administrador qual o melhor destino a dar às mesmas. Haveria ainda uma outra jóia, a qual se encontrava em poder do proprietário da Herdade do Álamo, Sr. Jacinto Navas Romero. O Administrador do Concelho de imediato manda o Sr. Jacinto Navas, de nacionalidade espanhola, entregar-lhe o objeto de que se apoderara, juntando assim sob a sua posse as cinco peças que constituíam aquele que ficaria conhecido para sempre como o Tesouro do Álamo.A 18 de maio, o Jornal de Moura dava destaque ao achado do Álamo e realçava a curiosidade que o mesmo estava a despertar na população em geral:“ Durante os dias e parte das noites que esses objetos estiveram expostos na montra do estabelecimento comercial do Sr. José Joaquim Barão, foi uma verdadeira romaria de pessoas a visitá-los, numa curiosidade afinal justificada”Satisfeita a curiosidade havia então que avaliar o tesouro e dar-lhe um destino. Através do Governador Civil foi oficiada a Associação de Arqueólogos Portugueses, que em junho de 1930 procedeu à avaliação das peças em Lisboa, regressando posteriormente as mesmas à posse do Administrador do Concelho de Moura.Inicia-se então um longo processo de contactos e negociações, em que foram intervenientes principais Ximenes de Negreiros, Administrador do Concelho de Moura, e o Dr. Manuel Heleno, diretor do Museu Etnológico Dr. Leite de Vasconcelos (actual Museu Nacional de Arqueologia).Em Agosto de 1930, Villanova de Vasconcelos, representante da Associação de Arqueólogos Portugueses escreve a Ximenes de Negreiros, de quem era amigo, para saber quando iria aquele a Lisboa, de forma a encontrar-se com o Dr. Manuel Heleno, para tratarem da compra das jóias para o Museu Leite Vasconcelos. Propõe-lhe um valor de 20000 escudos e um louvor no Diário da República.O arrastar do processo, a falta de resposta à proposta de aquisição e o receio que as jóias saíssem para Espanha, levou mesmo Manuel Heleno ao desespero, de tal forma que a 22 de janeiro de 1931 pede ao Administrador do Concelho, que este se digne obter dos proprietários das jóias uma resposta clara e insofismável sobre se desejavam ou não vender as ditas jóias por 20000 escudos.Finalmente, a 26 de março de 1931, após mais uma troca de correspondência, que envolveu os vários intervenientes no processo, mais o Chefe de Gabinete do Ministro do Interior, as jóias foram entregues ao Dr. Manuel Heleno, que as depositou no Museu Etnológico Leite de Vasconcellos.O Tesouro do Álamo, datado do bronze final, permanece no Museu Nacional de Arqueologia, fazendo parte do acervo da Coleção de Ourivesaria Arcaica daquele museu e o documento a dar conta da sua descoberta, que colocamos agora em destaque, encontra-se no Arquivo Municipal de Moura, integrando o Fundo da Administração do Concelho de Moura. Âmbito e conteúdo elaborado por Octávio Patrício (CMMRA), com recurso às seguintes fontes e bibliografia:- Arquivo Municipal de Moura, Administração do Concelho de Moura, Correspondência Recebida Geral, Ui0050 e Ui0051, cx022- Arquivo Municipal de Moura, Administração do Concelho de Moura, Copiadores de Correspondência Expedida, Ui0005 e Ui0006, cx003 e cx004.

Cota descritiva

ACM/A/A/002/ui0050/cx022

Idioma e escrita

Português

Nº visualizações

1025

Data de publicação

25/06/2021 16:59:15